quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Constante natureza

E fica o outono nas caídas flores,
de rosa a rosa, na triste espera.
Passando o inverno, vêem-se a primavera,
cobrir os campos de lindas cores.
.
O vento que sopra no mar,
gritando o assobio da natureza
e em nublado céu - Sua beleza...
da chuva que vem a derramar.
.
Embora vai o sol que tanto arde,
no cair da noite, a beleza muda.
Entre sombras e solidão profunda,
que logo chega no final de uma tarde.
.
Tudo se repete a cada dia,
e nada do que muda vai embora...
Nem mesmo um pássaro que chora,
cantando a mesma infinita melodia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário